CARACTERIZAÇÃO SOCIOECONÔMICA DAS MULHERES CATADORAS DE CARANGUEJO UÇÁ (Ucides cordatus), NA RESERVA EXTRATIVISTA MARINHA DE MARACANÃ, PARÁ

Amanda da Silva Nogueira, Ruth Helena Cristo Almeida, Cyntia Meireles Martins, Marcos Antônio Souza dos Santos

Resumo


A catação de caranguejo (Ucides cordatus) é desenvolvida, na sua maioria, por mulheres pescadoras que, por sua vez, já desenvolvem múltiplas tarefas. Neste artigo, analisou-se o perfil socioeconômico, produtivo e o papel das mulheres catadoras de caranguejo-uçá na Reserva Extrativista Marinha de Maracanã, estado do Pará. Para tanto foi realizada uma pesquisa de campo por meio de aplicação de questionários estruturados com 35 catadoras, além de entrevistas em profundidade e observação in loco da atividade de catação. As catadoras possuem idade média de aproximadamente 38 anos e, em média, 22 anos de trabalho. A maioria nasceu no próprio município e possui baixo nível de escolaridade, predominando, o ensino fundamental incompleto. Os rendimentos mensais são baixos e complementados pelas políticas de transferência de renda do Governo Federal. Grande parte das catadoras não sabia o que era, ou se sabia, não conseguia explicar a concepção de uma Resex. Com isso, as catadoras de caranguejo necessitam da atuação do poder público na geração de ações socioambientais, a fim de se manterem na atividade, preservando os recursos biológicos e contribuindo para a geração de trabalho, renda e a melhoria da qualidade de vida das catadoras.

Palavras-chave: comunidades tradicionais, catadoras de caranguejo-uçá, análise socioeconômica.

Texto completo:

DOWNLOAD DO ARQUIVO (PDF)


DOI: http://dx.doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v9n4p20-23

Direitos autorais 2020 Biota Amazônia (Biote Amazonie, Biota Amazonia, Amazonian Biota)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.