VIABILIDADE DE EXTRATOS ETANOLICOS DE FOLHAS DE LOBEIRA (Solanum lycocarpum A. ST.-HIL.) NO CONTROLE DE BACTÉRIAS DE INTERESSE MÉDICO

Luís Fernando Albarello Gellen, Aline Torquato Tavares, Valéria Gomes Momenté, Tiago Alves Ferreira, Renato Sales Coelho, Ildon Rodrigues Nascimento

Resumo


Inúmeros esforços têm sido dirigidos para comprovar o uso das plantas quanto ao seu potencial no controle de bactérias. O trabalho teve como objetivo avaliar o potencial inibitório e atividade bactericida do extrato alcoólico de folhas de Solanum lycocarpum St. Hill. e a citotoxicidade de concentrações de extrato foliar de lobeira em linhagens mielocíticas THP-1. Foi determinada a atividade inibitória mínima e máxima (CIMM), curva cinética com adição de concentrações variadas de extrato de lobeira e teste de disco-difusão em ágar em cepas de S. aureus, E. coli, P. aeroginosa e E. pyogenes. As cepas gram-positivas (S. aureus e S. pyogenes) são mais sensíveis ao extrato de lobeira do que as gram-negativas (E. coli e P. aeroginosa). As concentrações inibitórias mínimas para as cepas de P. aeroginosa e E. coli ocorreram em concentrações mais elevadas que nas bactérias gram-positivas testadas. Os extratos de folhas de lobeira apresentam citotoxicidade a células humanas em concentrações maiores. Extrato das folhas de lobeira demonstra atividade inibitória no teste de disco-difusão, no entanto são requeridos mais trabalhos para testar sua viabilidade na formulação de um possível medicamento.

Palavras-chaves: Solanum lycocarpum, antimicrobiano, viabilidade celular.


Texto completo:

DOWNLOAD DO ARQUIVO (PDF)


DOI: http://dx.doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v9n3p24-29

Direitos autorais 2019 Biota Amazônia (Biote Amazonie, Biota Amazonia, Amazonian Biota)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.