DESEMPENHO DE PROGÊNIES DE AÇAIZEIRO PELO GGE BIPLOT

Gilberto Ken Iti Yokomizo, João Tomé de Farias Neto, Maria do Socorro Padilha de Oliveira, Kuang Hongyu

Resumo


O interesse pelo consumo dos frutos do açaizeiro em outras regiões do país torna necessárias pesquisas de melhoramento genético para a espécie. O método GGE Biplot foi utilizado com o objetivo de analisar o comportamento de 30 genótipos de açaizeiros provenientes do município de Anajás e cultivadas em Tomé-Açu, Pará. O delineamento experimental adotado foi blocos casualizados, três repetições e cinco plantas por parcela, considerando-se anos como ambientes. Foram avaliadas as características: peso total de frutos (PTF), em gramas; número total de cachos (NTC) e; peso total de cachos (PTC), em gramas. Obtendo-se como conclusões que, genótipos distintos se destacaram aproximando-se mais do ideótipo, pela estabilidade ou adaptabilidade, destacando-se G10 para PTC, PTF e NTC; os genótipos com maiores valores médios têm menor estabilidade, excetuando-se apenas G10 em PTC e PTF; os GGE biplot permitem visualizar a disposição, o inter-relacionamento com efeitos ambientais e escolher genótipos superiores; para PTC o ambiente que melhor permite diferenciar os genótipos é A3; para PTF é A2 e para NTC é A1; quanto ao ambiente médio, que representa uma média entre todos os ambientes, tem-se como melhores  A1 e A2 para PTC; A1 para PTF; enquanto que é o A2 para NTC.

Palavras-chave: Euterpe oleracea, interação genótipos x ambientes, melhoramento de plantas, estabilidade, adaptabilidade.


Texto completo:

DOWNLOAD DO ARQUIVO (PDF)


DOI: http://dx.doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v10n3p39-45

Direitos autorais 2020 Biota Amazônia (Biote Amazonie, Biota Amazonia, Amazonian Biota)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.