POTENCIAL DE BIOCONTROLE DE Rhizoctonia solani DO FEIJÃO-CAUPI

Iêda Alana Leite de Sousa, Ruth Linda Benchimol, Carina Melo da Silva, Ana Karoliny Alves Santos, Cássia Cristina Chaves Pinheiro, Eudes de Arruda Carvalho

Resumo


O objetivo foi avaliar o potencial de nove isolados de Trichoderma spp. no biocontrole in vitro de Rhizoctonia solani, agente etiológico da mela em feijão-caupi. O patógeno e o antagonista foram confrontados em placas de Petri (Ø = 90 mm) contendo o meio de cultura BDA. Foram medidos diariamente o crescimento micelial do antagonista e do patógeno e determinados o Índice de Velocidade de Crescimento Micelial (IVCM) e o Percentual de Inibição do Crescimento Radial (PICR) médio e diário da colônia de R. solani, em relação à testemunha. O delineamento experimental foi inteiramente ao acaso, com dez tratamentos, incluindo a testemunha, em cinco repetições. Os dados foram submetidos à análise de variância aplicando-se o teste F (p-valor≤0,05) e o teste de Scott-Knott (p-valor≤0,05), utilizando-se o programa SISVAR, versão 5.6. Os resultados mostraram que 33% dos isolados de Trichoderma spp. (T41, T51 e T63) apresentaram maior potencial de controle in vitro de R. solani, reduzindo em 40% o IVCM da colônia do patógeno. O isolado T41 obteve maior PICR médio e os isolados T41, T51 e T63 provocaram o maior PICR no primeiro dia de avaliação. O isolado T41 provocou o menor IVCR e o maior PICR médio e diário, apresentando-se desta forma, com agente de biocontrole potencial de R. solani.

Palavras-chave: Mela, Antagonismo, Trichoderma spp., Vigna unguiculata.


Texto completo:

DOWLOAD DO ARQUIVO (PDF)


DOI: http://dx.doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v7n1p86-89

Direitos autorais 2017 Biota Amazônia (Biote Amazonie, Biota Amazonia, Amazonian Biota)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.