COMPLEXIDADE DO HABITAT E VARIAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA DIVERSIDADE DE SCIAENIDAE (TELEOSTEI) EM CANAIS DE MARÉ DA COSTA NORTE DO BRASIL

Camila de Nazaré Araújo Cardoso, Wellington Matheus Gomes de Lima, Mayra Sousa do Nascimento, Nayara Cristina Barbosa Mendes, Luciano de Jesus Gomes Pereira, Bianca Bentes

Resumo


Para estudar a composição, densidade e variação espaço-temporal na diversidade de Sciaenidae e a complexidade dos canais de maré da Península de Ajuruteua (Pará). Foram realizadas coletas entre setembro de 2012 e outubro de 201. Os peixes foram capturados com redes de tapagem (block nets) e o registro das variáveis abióticas foi realizado através de uma sonda multiparâmetro. Foram capturados 471 indivíduos, distribuídos em nove espécies. O período seco correspondeu à maior biomassa e número de indivíduos capturados. Para a relação peso-comprimento, foram encontrados valores alométricos positivos para as espécies Bairdiella ronchus, Stellifer microps, Stellifer rastrifer e Stellifer stellifer. As curvas ABC apontaram stress ambiental no Furo Grande durante o período seco e transição chuvoso-seco. Foram observadas inclinações no espectro de tamanho especialmente no Furo do Taici, farto que pode estar relacionado ao grande número de recrutas nesse local. Os índices ecológicos mostraram maior riqueza de espécies no Furo Grande (d = 1,16) e maior diversidade e equitabilidade no Furo do Taici H'(loge) = 1,25, J’ = 0,77. A PCA evidenciou que a turbidez foi a variável que melhor respondem pela variabilidade dos dados nos canais de maré.

Palavras-chave: peixes estuarinos, sensibilidade ambiental, Península de Ajuruteua.


Texto completo:

DOWLOAD DO ARQUIVO (PDF)


DOI: http://dx.doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v6n3p70-76

Direitos autorais 2016 Biota Amazônia (Biote Amazonie, Biota Amazonia, Amazonian Biota)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.