MODELAGEM VOLUMÉTRICA PARA Eucalyptus urograndis NO MUNICÍPIO DE PORTO GRANDE, AMAPÁ, BRASIL

André Ricardo dos Santos Pereira, Márcio Assis Cordeiro, Jadson Coelho de Abreu, Ronaldo Oliveira Santos, José Natalino Macedo Silva

Resumo


O presente trabalho testou seis modelos matemáticos, sendo três de simples e três de dupla entrada, para estimar o volume de árvores de Eucalyptus urograndis, com o objetivo de selecionar o melhor modelo para as condições edafoclimáticas do município de Porto Grande, Amapá. Foram cubadas 218 árvores cobrindo uma variação de 4 a 34,21 cm de DAP, nas quais foram determinados seus respectivos DAP, comprimento real do fuste e o volume real obtido pela metodologia de Smalian. Dentre os modelos testados, foi selecionado o modelo de dupla entrada Schumacher-Hall na forma logarítmica. Baseado nos critérios estatísticos, tais como: maiores valores de R² e R² ajustados, menores valores de Sxy e Sxy%, o IF- Índice de Furnival para as comparações com os modelos logarítmicos, por esses resultados podemos concluir que o modelo de Schumacher-Hall na forma logarítmica, e recomendo para estimativa com precisão da volumetria de fuste com casca de Eucalyptus urograndis no município de Porto Grande, Amapá, Brasil.

Palavras-chave: cubagem rigorosa, análise de regressão, mensuração florestal, manejo florestal, estatística.


Texto completo:

DOWLOAD DO ARQUIVO (PDF)


DOI: http://dx.doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v6n4p10-14

Direitos autorais 2016 Biota Amazônia (Biote Amazonie, Biota Amazonia, Amazonian Biota)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.