ABUNDÂNCIA E RELAÇÕES MORFOMÉTRICAS DO CAMARÃO-DA-AMAZÔNIA - Macrobrachium amazonicum (HELLER, 1862) (DECAPODA, PALAEMONIDAE) - EM UM ESTUÁRIO AMAZÔNICO - COSTA NORTE DO BRASIL

Bianca Bentes da Silva, Jéssica Cristina Souza Silva, Jussara Moretto Martinelli-Lemos, Victoria Judith Isaac Nahum

Resumo


A partir da abundância de M. amazonicum de coletas mensais no estuário amazônico e Ilha do Mosqueiro (Pará-Brasil) entre abril/06 e agosto/07, foi verificado que o local citado é propício ao desenvolvimento da espécie, uma vez que há um expressivo número de jovens e adultos ao longo do ano cuja abundância é significativamente maior no período seco. Icoaraci foi o local de grande contribuição no total de espécimes capturados, relacionando-se esta produtividade à grande quantidade de matéria orgânica em suspensão. Neste estudo foi registrado o maior espécime de M. amazonicum já coletado, comparando ao citado pela literatura científica disponível. O indivíduo foi uma fêmea capturada na Ilha do Combu com 44,72 mm de comprimento da carapaça ou 18,45 cm de comprimento total.  As relações massa corporal (g) vs. comprimento da carapaça (mm) para machos, fêmeas e sexos agrupados, tiveram alometria negativa, o que pode estar associado ao ciclo de maturação gonadal da espécie. Todas as demais relações morfométricas, apresentaram alometria positiva.

Palavras-chave: carapaça, bioecologia, dinâmica populacional.




DOI: http://dx.doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v6n4p1-9

Direitos autorais 2016 Biota Amazônia (Biote Amazonie, Biota Amazonia, Amazonian Biota)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.