ESTUDO FÍSICO-QUÍMICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL LARVICIDA DO EXTRATO ETANÓLICO DAS CASCAS DO CAULE DE Licania macrophylla BENTH

Ryan da Silva Ramos, Alex Bruno Lobato Rodrigues, Gerson Anderson de Carvalho Lopes, Josivan da Silva Costa, Cleydson Breno Rodrigues dos Santos, Roberto Messias Bezerra, Raimundo Nonato Picanço Souto, Sheylla Susan Moreira da Silva de Almeida

Resumo


O presente estudo buscou quantificar a presença de micro e macronutrientes e avaliar o potencial larvicida do extrato bruto etanólico das cascas do caule da espécie Licania macrophylla Benth. A quantificação dos micro e macronutrientes foi realizada por espectrometria de absorção atômica e o bioensaio do potencial larvicida realizado frente às larvas no terceiro estágio de desenvolvimento do mosquito Aedes aegypti. Os valores quantificados por espectrometria de absorção atômica foram 25,56 ± 2,90 mg.L-1 para cálcio, 2,62 ± 0,16 mg.L-1 para magnésio, 2,40 ± 1,45 mg.L-1 para potássio, 0,004 ± 0,005mg. L-1 para ferro, 0,02 ± 0,01 mg.L-1 para zinco e 0,00 mg.L-1 para cobre. No bioensaio do potencial larvicida o extrato bruto etanólico apresentou baixa taxa de mortalidade nas concentrações testadas com CL50 de 1497,19 ppm, no qual provavelmente, os metabólitos secundários com esta atividade não estarem em concentrações adequadas para causar mortalidade, visto que trata-se de extrato bruto. Os micros e macronutrientes são essenciais para o desenvolvimento do vegetal e fundamentais para produção de metabólitos secundários, seja por meio do processo de fotossíntese ou pela captação dos nutrientes via solo.

Palavras-chave: nutrientes, atividade larvicida, dengue, absorção atômica.


Texto completo:

DOWNLOAD DO ARQUIVO (PDF)


DOI: http://dx.doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v5n1p74-78

Direitos autorais 2015 Biota Amazônia (Biote Amazonie, Biota Amazonia, Amazonian Biota)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.